O herói e o santo

mão estendidaQuando eu estava na escola, Lourenço Diaféria sempre foi presença garantida nas minhas lições de casa de Português. Na ocasião eu nem fazia idéia que ele chegou a ser preso por causa de coisas que escreveu.

Foi por causa da crônica  “Herói. Morto. Nós.”, uma homenagem a um certo sargento Sílvio, que morreu salvando um garoto que havia caído numa jaula com ariranhas. Por algum motivo os militares se ofenderam com o texto e o levaram em cana.

E agora, por causa do falecimento dele, me deparo com o tal texto, publicado em 1977 e vejo, no desfecho algo que me parece bastante pertinente e atual:

Podíamos ter estendido nossas mãos e te arrancando do fosso das ariranhas – como você tirou o menino de catorze anos – mas queríamos que alguém fizesse o gesto de solidariedade em nosso lugar.
Sempre é assim: o herói e o santo é o que estende as mãos.

O texto completo está em “Tudo sobre a Folha

Veja também:

  • Heróis e vilõesHeróis e vilões Bons tempos aqueles quando um herói injustiçado, ao final do filme, dava a volta por cima com um surpreendente golpe de mestre, […]
  • Liberdade de expressão. Uma via de mão dupla.Liberdade de expressão. Uma via de mão dupla. Se algo sob o rótulo de arte reivindica total liberdade de expressão, o mínimo que deve aceitar é total liberdade de crítica; se […]
  • Verdade virtual, mentira real…Verdade virtual, mentira real… Sara e seu marido Adnan, um casal da bósnia, resolveram começar um relacionamento virtual usando pseudônimos. O casal se […]
  • Cultura da mentiraCultura da mentira A mentira não é mais simplesmente aceita, mas é esperada, ela se tornou uma prática institucionalizada na nossa sociedade e uma […]

Comentários

Loading Facebook Comments ...
Loading Disqus Comments ...

Deixe uma resposta